Dicas de Saúde Doenças e Tratamentos Ana Karolynne Goncalves

Rosácea Ocular – O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos

Revisado por

NUTRIÇÃO - CRN6-MA 16199

Rosácea Ocular – O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos
Gostou do post? Avalie!

Rosácea Ocular – O que é, Causas, Sintomas e Tratamentos podem ser vitais para a saúde. Aliás a Rosácea é uma doença crônica da pele que afeta aproximadamente 14 milhões de pessoas nos Estados Unidos. Machos e fêmeas podem ser afetados por esta condição da pele. A Rosácea Ocular é uma complicação da Rosácea e afeta a pele ao redor dos olhos, incluindo as pálpebras.

Rosácea geralmente aparece na face, mas pode aparecer no pescoço e no peito também. A Rosácea Ocular é mais comum em mulheres, mas é mais severa nos homens. Ocorre mais freqüentemente em pessoas de pele clara, mas pode ocorrer em qualquer cor de pele. Muitas pessoas passam sem diagnóstico e tratamento, porque eles não estão cientes de que eles têm.

Rosácea Ocular

 

O que é a Rosácea Ocular: A Rosácea Ocular é uma condição que afeta as pálpebras e a pele em torno dos olhos e a parte superior da face, causando diversos sintomas, principalmente a partir de secura e irritação. Ela está relacionada com uma doença chamada Rosácea, em que a pele da face afetados de modo semelhante. É uma doença grave que, se não tratada, pode também fazer um cego. Esta complicação ocorre principalmente em pessoas com pele clara devido à exposição à luz solar e calor, exercício intenso, temperatura muito baixa e estresse mental.

 

Qualquer um dos sintomas da Rosácea Ocular, tais como irritação, sensibilidade à luz, diminuição da visão, vermelhidão das pálpebras ou conjuntiva, deve consultar imediatamente um oftalmologista. É uma doença acompanhada por olhos secos, em que há a possibilidade de uma infecção secundária, tais como bactérias, tais como “estafilococo” têm a capacidade de reproduzir em ambiente seco. A Rosácea Ocular tem muitos sintomas que são claramente visíveis em seus olhos e as áreas ao redor dos olhos, bochechas, testa, por exemplo, ou do nariz.

Causas da Rosácea Ocular: A causa da Rosácea Ocular é desconhecida, mas estudos apontam para uma combinação de fatores hereditários e ambientais. Uma série de fatores pode desencadear ou agravar a Rosácea Ocular, aumentando o fluxo de sangue para a superfície de sua pele. Alguns destes fatores incluem:

  • Alimentos quentes ou bebidas
  • Alimentos picantes
  • Álcool
  • Temperaturas extremas
  • Exposição ao sol
  • Estresse, raiva ou vergonha
  • Exercício extenuante
  • Banhos quentes ou saunas
  • Uso de corticosteroides
  • Uso de medicamentos que dilatam os vasos sanguíneos, incluindo alguns medicamentos para pressão arterial.

Fatores de risco Para a Rosácea Ocular: Os seguintes grupos estão em maior risco de desenvolver Rosácea Ocular:

  • Pessoas entre 30 e 50 anos de idade
  • Pessoas de pele clara, com cabelos loiros e olhos azuis
  • Descendentes de celtas ou escandinavos
  • História familiar de Rosácea Ocular
  • Histórico de acne grave no passado
  • Mulheres (no entanto, os homens também podem desenvolver Rosácea Ocular e tendem a ter sintomas mais graves).

Sintomas do Rosácea OcularSintomas da Rosácea Ocular: Os sintomas da Rosácea Ocular variam de acordo com o grau de evolução da doença, podendo ser classificados de leves a severos, atacando principalmente a pálpebra, conjuntiva e córnea. Os sintomas mais comuns são:

  • Vermelhidão;
  • Lacrimejamento;
  • Sensação de queimação e ardência;
  • Coceira;
  • Sensação de corpo estranho nos olhos;
  • Visão embaçada;
  • Inflamação das pálpebras e córneas;
  • Cisto recorrente nas pálpebras;
  • Olhos secos.

Prevenção da Rosácea Ocular: Não é possível prevenir a Rosácea Ocular, apenas controlar a doença com tratamento adequados e medidas de estilo de vida.

Tratamento Para Rosácea Ocular: A Rosácea Ocular não tem cura. No entanto, com os Principais Tratamento Para Rosácea Ocular, a maioria das pessoas consegue controlar os sintomas e evitar que a doença se agrave. O tratamento do tipo mais comum da Rosácea é feito com produtos tópicos, como metronidazol 0,75%, ácido azelaico 0,75%, peróxido de benzoila e retinoides tópicos. O objetivo principal do tratamento é diminuir a inflamação do paciente, usando as substâncias citadas cerca de 1 a 2 vezes por dia.

Uma alternativa é a utilização de oximetozolina e da brimonidina. Ambos diminuem e controlam o flushing (vermelhidão). É bom lembrar que eles não curam a Rosácea Ocular, mas diminuem o avermelhamento. Os inibidores da calcineurina também melhoram a inflamação.

Para a Rosácea Ocular, pápula pustulosa e fimatosa, é necessário utilizar o antibiótico do grupo das ciclinas: a tetraciclina e a minociclina. Eles são utilizados até o controle clínico da doença e, com o tempo, a dose do remédio será reduzida aos poucos. Já a isotretinoína pode ser utilizada nos quatro tipos de Rosácea. O tratamento dura em torno de 3 a 6 meses. Em todas essas situações, pode haver associação dos medicamentos com laser.

Causas da Rosácea OcularA correção cirúrgica da Rosácea é indicada nos casos de fimatosa. E para tratar a Rosácea Ocular, muitas vezes é necessária abordagem específica, como o uso de colírios locais (com antibióticos) e também imunossupressores, como a ciclosporina. Também é importante o uso do laser ou da luz pulsada para vasos. A luz do laser atinge os vasos, promove sua destruição e clareia a região. Os tipos de laser mais utilizados são o Pulsed Dye Laser e NdYag.

Recomendações Para Rosácea Ocular:

  • Não se automedique. Procure um dermatologista tão logo note alterações na pele do rosto, como vermelhidão e inchaço;
  • Evite a exposição ao sol e as mudanças bruscas de temperatura;
  • Procure relacionar os alimentos que ingeriu e o uso de cosméticos ou de produtos à base de corticoesteroides com os episódios de Rosácea Ocular;
  • Use sempre protetor solar;
  • Não tome banho nem lave o rosto com água muito quente.

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

comentários

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

Sobre o autor | Website

Sou graduada no curso de Nutrição pela Universidade Federal de Maranhão(UFMA), do CRN6-MA 16199, com Mestrado na área da Nutrição Clínica com relação ao metabolismo, prática e terapia nutricional, realizado também na Universidade Federal de Maranhão(UFMA). Atualmente trabalho no campo de pesquisa sobre a Qualidade e Inovação em Alimentos.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.

Este site usa cookies e outras tecnologias similares para lembrar e entender como você usa nosso site, analisar seu uso de nossos produtos e serviços, ajudar com nossos esforços de marketing e fornecer conteúdo de terceiros. Leia mais em Política de Cookies e Privacidade.