Dicas de Saúde Doenças e Tratamentos Ana Karolynne Goncalves

Os 7 Principais Sintomas do Câncer de Mama!

Revisado por

NUTRIÇÃO - CRN6-MA 16199

Gostou do post? Avalie!

Os 7 Principais Sintomas do Câncer de Mama são muito importantes para o correto diagnóstico do Câncer de Mama. Aliás, todo Câncer se caracteriza por um crescimento rápido e desordenado de células, que adquirem a capacidade de se multiplicar. Essas células tendem a ser muito agressivas e incontroláveis, determinando a formação de tumores malignos (Câncer), que podem espalhar-se para outras regiões do corpo. O Câncer de Mama também é comumente chamado de neoplasia.

O Câncer de Mama, como o próprio nome diz, afeta as mamas, que são glândulas formadas por lobos, que se dividem em estruturas menores chamadas lóbulos e ductos mamários. É o tumor maligno mais comum em mulheres e o que mais leva as brasileiras à morte, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca). Segundo a Estimativa sobre Incidência de Câncer no Brasil, 2014-2015, produzida pelo Inca, o Brasil terá 576 mil novos casos de Câncer por ano. Desses, 57.120 mil serão Câncer de Mama.Os 7 Principais Sintomas do Câncer de Mama

O Câncer de Mama é relativamente raro antes dos 35 anos, mas acima dessa idade sua incidência cresce rápida e progressivamente. É importante lembrar que nem todo Câncer de Mama é maligno e que ele pode ocorrer também em homens, mas em número muito menor. A maioria dos nódulos (ou caroços) detectados na mama é benigna, mas isso só pode ser confirmado por meio de exames médicos.

Quando diagnosticado e tratado ainda em fase inicial, isto é, quando o nódulo é menor que 1 centímetro, as chances de cura do Câncer de Mama chegam a até 95%. Tumores desse tamanho são pequenos demais para serem detectados por palpação, mas são visíveis na mamografia. Por isso é fundamental que toda mulher faça uma mamografia por ano a partir dos 40 anos.

Tipos de Câncer de Mama: O Câncer de Mama pode se manifestar de diversas formas, e conhecer seus principais tipos ajuda a compreender melhor o que está acontecendo. O diagnóstico positivo é sempre uma notícia impactante, mas é importante estar bem informada para conversar com o oncologista sobre as opções de terapias disponíveis e mais apropriadas para o seu caso. Há os tumores mais e os menos agressivos, e os que crescem mais ou menos rápido, por exemplo.

Uma série de características vai permitir ao médico indicar o tratamento mais adequado para o Câncer de Mama, aquele com maior chance de trazer a cura no menor tempo possível, minimizando os riscos de recaída. Muitas vezes, porém, a paciente não fica sabendo o que significam tantos termos técnicos e quais são suas implicações, o que tende a aumentar ainda mais sua angústia nesse momento tão delicado. Não deixe de conversar com o seu médico para acompanhar todos os passos do tratamento.

Causas do Câncer de Mama: As causas exatas do Câncer de Mama não são boas compreendidas. Contudo, há diversos factores de risco que levantam as possibilidades de Câncer de Mama. Destes factores de risco alguns podem ser alterados ou mudado como factores do estilo de vida quando outro forem não-modificáveis.

Os Principais Sintomas do Câncer de Mama: O Câncer de Mama inicialmente é assintomático. As formas mais fáceis de se descobrir logo no início são por exames como mamografia, ultrassom ou ressonância magnética. O exame de toque também é importante, ao notar qualquer alteração na mama, agende uma consulta médica. Algumas alterações físicas das mamas podem ser indícios de Câncer de Mama. Quando há presença destes indícios, é possível que o Câncer de Mama esteja em um nível avançado. Fique de olho em alguns sintomas:

  • Dor ou inversão do mamilo
  • Vermelhidão ou descamação do mamilo ou da pele do seio
  • Aparecimento de nódulos (caroços) no seio ou na axilas, podendo apresentar dor ou não, serem duros e irregulares ou macios e redondos
  • Presença de secreção pelo mamilo, sanguinolenta ou não
  • Inchaço irregular em parte da mama, que pode ficar quente e vermelha.
  • Irritação ou retração na pele ou aparecimento de rugosidade semelhante à casca de laranja
  • Nos casos mais adiantados, é possível aparecer ulceração na pele com odor desagradável

Um caroço na mama não significa necessariamente Câncer de Mama. Grande parte dos nódulos mamários são cistos e adenomas benignos. As mamas se modificam naturalmente ao longo do ciclo menstrual, porém, ao notar as alterações e sintomas descritos acima, é essencial ser consultado rapidamente.

Prevenção do Câncer de Mama: Prevenção de doenças é o diferimento ou eliminação das condições específicas de uma doença através de intervenções de eficácia comprovada.A prevenção do Câncer de Mama é a ação tomada para reduzir a chance de contrair o Câncer de Mama. Portanto, prevenir o Câncer de Mama significa evitar os fatores de risco que aumentam as chances de desenvolver a enfermidade. Parte da carga de prevenção do Câncer de Mama encontra-se com o indivíduo, que deve adotar comportamentos que minimizem o risco e ocorrência do Câncer de Mama, e maximizem os estados de saúde.

Fatores de Risco Para o Câncer de Mama: Os principais fatores de risco para o Câncer de Mama são:

  • Histórico familiar
  • Idade
  • Menstruação precoce
  • Menopausa tardia
  • Reposição hormonal
  • Colesterol alto
  • Obesidade
  • Ausência de gravidez
  • Lesões de risco
  • Câncer de Mama anterior

Tratamentos Para o Câncer de Mama: A forma como o Câncer de Mama será tratado depende do tamanho e agressividade do tumor. No entanto, a maioria dos tipos de tratamento são essencialmente cirúrgico. A cirurgia visa em primeiro lugar tratar o tumor na região afetada, podendo ser complementado com radioterapia, quimioterapia e hormônio-terapia dependendo da necessidade e especificidades do organismo da mulher.

  • Tratamento localizado: Tem por objetivo tratar o tumor sem afetar o resto do organismo. Ele é feito pela retirada parcial ou total da mama e com tratamento de radiação
  • Tratamento sistêmico: Administrado por via oral ou injetado, esse tratamento atinge todo o corpo, consistindo em quimioterapia, hormônio-terapia e imunoterapia

Para evitar que as células cancerígenas se encaminhem para outras partes do corpo, mesmo após a cirurgia contra o Câncer de Mama, recomenda-se a terapia sistêmica (quimioterapia). Quando feita após a cirurgia, chama-se terapia adjuvante. Também pode ser realizada antes da cirurgia – para reduzir o tumor e evitar uma cirurgia muito invasiva . Esta chama-se terapia neo-adjuvante.

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

comentários

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

Sobre o autor | Website

Sou graduada no curso de Nutrição pela Universidade Federal de Maranhão(UFMA), do CRN6-MA 16199, com Mestrado na área da Nutrição Clínica com relação ao metabolismo, prática e terapia nutricional, realizado também na Universidade Federal de Maranhão(UFMA). Atualmente trabalho no campo de pesquisa sobre a Qualidade e Inovação em Alimentos.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.

Este site usa cookies e outras tecnologias similares para lembrar e entender como você usa nosso site, analisar seu uso de nossos produtos e serviços, ajudar com nossos esforços de marketing e fornecer conteúdo de terceiros. Leia mais em Política de Cookies e Privacidade.