Doenças e Tratamentos

Câncer Vulvar – O que é, Sintomas e Tratamentos

Câncer Vulvar – O que é, Sintomas e Tratamentos
Gostou do post? Avalie!

Câncer Vulvar – O que é, Sintomas e Tratamentos que todos devemos saber. Além disso, o câncer vulvar é um tipo de câncer que ocorre na área da superfície externa da vagina. A vulva é a área da pele que envolve a uretra e a vagina, incluindo o clitóris e os lábios. O câncer vulvar geralmente se forma como um nódulo ou ferida na vulva que muitas vezes causa coceira. Embora possa ocorrer em qualquer idade, o câncer vulvar é mais comumente diagnosticado em mulheres mais velhas.

Câncer VulvarO tratamento com câncer de vulva geralmente envolve uma cirurgia para remover o câncer e uma pequena quantidade de tecido saudável circundante. Às vezes, a cirurgia de câncer vulvar requer a remoção de toda a vulva. O câncer vulvar anterior é diagnosticado, menos provável é necessária uma cirurgia extensiva para o tratamento.

Principais Causas do Câncer Vulvar: Não está claro o que causa câncer vulvar. Em geral, os médicos sabem que o câncer começa quando uma célula desenvolve mutações em seu DNA. As mutações permitem que a célula cresça e divida rapidamente. A célula e sua prole continuam vivendo quando outras células normais morreriam. As células acumuladoras formam um tumor que pode ser cancerígeno, invadindo o tecido próximo e se espalhando para outras partes do corpo.

Tipos de Câncer Vulvar: O tipo de célula em que o câncer vulvar começa ajuda o seu médico a planejar o tratamento mais efetivo. Os tipos mais comuns de câncer vulvar incluem:

  • Carcinoma de Células Escamosas Vulcânicas: Este câncer começa nas células finas e planas que alinham a superfície da vulva. A maioria dos cânceres vulvar são carcinomas de células escamosas.
  • Melanoma Vulvar: Este câncer começa nas células produtoras de pigmento encontradas na pele da vulva.

Principais Sintomas do Câncer Vulvar: Mulheres com condição pré-cancerosa, a neoplasia intra-epitelial vulvar (VIN) geralmente não apresenta sintomas. Às vezes, eles podem se queixar de coceira persistente, ou podem perceber um remendo que é mais grosso e mais leve do que a pele circundante. Em alguns casos, o patch pode ser vermelho ou rosa, ou mesmo mais escuro do que a área circundante.

As mulheres com formas invasivas da doença freqüentemente experimentam sintomas de câncer vulvar, tais como:

  • Um golpe (es) vermelho, rosa ou branco que possui uma superfície em bruto ou em forma de verruga
  • Uma área branca que se sente áspera
  • Prurido persistente
  • Dor, ou uma sensação de ardor ao urinar
  • Hemorragia e descarga não associadas à menstruação
  • Uma ferida aberta ou úlcera que dura mais de um mês

As mulheres com o subtipo de carcinoma verrugoso de câncer vulvar de células escamosas podem perceber um crescimento similar a uma verruga genital semelhante a uma couve-flor. O câncer da glândula de Bartholin geralmente está associado a um nódulo em ambos os lados da abertura para a vagina, embora este também possa ser um cisto simples. As mulheres com doença de Paget muitas vezes se queixam de dor e uma área vermelha e escamosa.

Tratamento Para o Câncer Vulvar: As opções de tratamento para o câncer vulvar dependem do tipo e estágio do câncer, da sua saúde geral e das suas preferências.

  • Cirurgia Para Remover Câncer Vulvar: As operações utilizadas para tratar o câncer vulvar incluem:
  • Removendo o Câncer e Uma Margem de Tecido Saudável (excisão): Este procedimento, que também pode ser chamado de uma grande excisão local ou excisão radical, envolve cortar o câncer e uma pequena quantidade de tecido normal que o rodeia. Cortar o que os médicos se referem como uma margem de tecido de aparência normal ajuda a garantir que todas as células cancerosas tenham sido removidas.
  • Removendo uma Porção da Vulva (vulvectomia parcial): Durante uma vulvectomia parcial, uma porção da vulva é removida, juntamente com os tecidos subjacentes.
  • Removendo Toda a Vulva (vulvectomia radical): A vulvectomia radical envolve a remoção de toda a vulva, incluindo o clitóris e os tecidos subjacentes.
  • Cirurgia Extensiva Para Câncer Avançado: Se o câncer se espalhou além da vulva e envolve órgãos próximos, seu médico pode recomendar a remoção de toda a vulva e os órgãos envolvidos em um procedimento chamado exenteração pélvica.
  • Dependendo de onde seu câncer se espalhou, seu cirurgião pode remover o cólon, o reto, a bexiga, o colo do útero, o útero, a vagina, os ovários e os linfonodos próximos. Se sua bexiga, reto ou cólon é removido, seu médico criará uma abertura artificial em seu corpo (estoma) para que seus resíduos sejam removidos em um saco (ostomia).
  • Cirurgia Reconstrutora: O tratamento do câncer vulvar geralmente envolve a remoção de algumas pele da sua vulva. A ferida ou área deixada para trás geralmente pode ser fechada sem enxertar a pele de outra área do seu corpo. No entanto, dependendo de quão generalizado o câncer e quanto de tecido que seu médico precisa remover, seu médico pode realizar cirurgia reconstrutiva – enxertar a pele de outra parte do seu corpo para cobrir essa área.

A cirurgia para remover toda a vulva traz risco de complicações, como infecção e problemas de cura ao redor da incisão. Além disso, com parte ou a totalidade do preenchimento vulvar desapareceu, pode ser desconfortável sentar por longos períodos. Sua área genital pode se sentir entorpecida, e pode não ser possível alcançar o orgasmo durante a relação sexual.

Cirurgia Para Remover Gânglios Linfáticos Próximos: O câncer vulvar geralmente se espalha para os gânglios linfáticos na virilha, então seu médico pode remover esses gânglios linfáticos no momento em que você se submete a uma cirurgia para remover o câncer. Dependendo da sua situação, seu médico pode remover apenas alguns linfonodos ou muitos gânglios linfáticos. A remoção de gânglios linfáticos pode causar retenção de líquidos e inchaço nas pernas, condição chamada linfedema.

Em determinadas situações, os cirurgiões podem usar uma técnica que lhes permita remover menos gânglios linfáticos. Chamada de biópsia de linfonodos sentinela, este procedimento envolve a identificação do nódulo linfático onde o câncer é mais provável que se espalhe primeiro. O cirurgião então remove esse nódulo linfático para o teste. Se as células cancerosas não são encontradas nesse nódulo linfático, é improvável que as células cancerosas se espalhem para outros gânglios linfáticos.

Sintomas do Câncer Vulvar

Terapia de Radiação: A radioterapia usa feixes de energia de alta potência, como raios-X, para matar células cancerosas. A radioterapia para câncer vulvar geralmente é administrada por uma máquina que se move em torno de seu corpo e direciona a radiação para pontos precisos em sua pele (radiação de feixe externo).

A radioterapia às vezes é usada para encolher grandes cânceres vulvares, a fim de tornar mais provável que a cirurgia seja bem sucedida. A radiação às vezes é combinada com quimioterapia, o que pode tornar as células cancerígenas mais vulneráveis ​​à radioterapia.

Se as células cancerosas são descobertas em seus linfonodos, seu médico pode recomendar a radiação para a área ao redor de seus gânglios linfáticos para matar todas as células cancerígenas que possam permanecer após a cirurgia.

Quimioterapia: A quimioterapia é um tratamento medicamentoso que usa produtos químicos para matar células cancerosas. Os medicamentos de quimioterapia são tipicamente administrados através de uma veia no braço ou pela boca.

Para mulheres com câncer vulvar avançado que se espalhou para outras áreas do corpo, a quimioterapia pode ser uma opção. Às vezes, a quimioterapia é combinada com a terapia de radiação para encolher grandes cânceres vulvares, a fim de tornar mais provável que a cirurgia seja bem sucedida.

Testes de Acompanhamento Após Tratamento: Após completar o tratamento do câncer vulvar, seu médico pode recomendar exames periódicos de acompanhamento para procurar uma recorrência do câncer. Mesmo depois de um tratamento bem sucedido, o câncer vulvar pode retornar. O seu médico determinará o cronograma de exames de acompanhamento adequados para você, mas os médicos geralmente recomendam exames duas a quatro vezes por ano durante os dois primeiros anos após o tratamento do câncer vulvar.

Gostou das dicas?

comentários

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.