Dicas de Saúde Doenças e Tratamentos Ana Karolynne Goncalves

As 10 Principais Causas da Rosácea Ocular

Revisado por

NUTRIÇÃO - CRN6-MA 16199

As 10 Principais Causas da Rosácea Ocular
Gostou do post? Avalie!

As 10 Principais Causas da Rosácea Ocular podem ser evitadas, o que é uma coisa ruim quanto a Rosácea Ocular. Além do que, a Rosácea é uma doença de pele comum, cujos sintomas envolvem áreas de vermelhidão na pele e lesões inflamadas, especialmente nas bochechas, nariz, testa e queixo. Muitas vezes começa entre as idades de 30 e 50 anos e afeta mais mulheres do que homens.

Quando os primeiros sintomas aparecem, podem ser confundidos com queimaduras solares. Conforme a doença se agrava, vermelhidão torna-se mais duradoura e óbvia. A Rosácea Ocular pode piorar ao longo do tempo, levando a mudanças permanentes na aparência e afetando a autoestima. Não há cura conhecida para a Rosácea Ocular, mas ela é tratável, com excelente controle.

Principais Causas da Rosácea Ocular: A causa da Rosácea Ocular é desconhecida, mas estudos apontam para uma combinação de fatores hereditários e ambientais. Uma série de fatores pode desencadear ou agravar a Rosácea Ocular, aumentando o fluxo de sangue para a superfície de sua pele. Alguns destes fatores incluem:

  • Alimentos quentes ou bebidas
  • Alimentos picantes
  • Álcool
  • Temperaturas extremas
  • Exposição ao sol
  • Estresse, raiva ou vergonha
  • Exercício extenuante
  • Banhos quentes ou saunas
  • Uso de corticosteroides
  • Uso de medicamentos que dilatam os vasos sanguíneos, incluindo alguns medicamentos para pressão arterial.

Sintomas da Rosácea Ocular: Uma pessoa que experimenta a inflamação em seus cílios ou nas margens da tampa pode ser afetada por Rosácea Ocular. Esta condição é conhecida como “blefarite”, que leva a vermelhidão, coceira e ardor nos olhos e cílios. Uma “glândula meibomiana ‘expandida ou um inchaço (que lubrifica as pálpebras), é também um sintoma da Rosácea Ocular. Essa condição é conhecida como ‘chalazia’ ou ‘meibomite’. Se há um problema na glândula meibomiana, a pessoa pode sentir os olhos secos.

Outros sintomas da Rosácea Ocular incluem olhos vermelhos e dolorosos, que pode ser uma complicação chamada de ‘episclerite’ e ‘esclerite’. Ambas estas complicações é um resultado de vasos sanguíneos nos olhos inchados. Uma complicação mais grave da Rosácea Ocular conhecida como “ceratites” é também um sintoma em que a pessoa sente irritação como experiências na “córnea”. Isso leva a dor nos olhos, incapacidade de ver claramente e uma alta sensibilidade à luz. Se ‘ceratite’ não for tratada a tempo, pode causar mais complicações. Uma pessoa também sente irritação na íris, que é acompanhada por dor no olho e uma visão clara.

Outros sintomas gerais incluem os olhos lacrimejantes e vermelhos, um sentimento da presença de uma partícula estranha no olho, secura nos olhos ou uma sensação de ardor nos olhos. A maioria dos pacientes que sofre deste distúrbio tem um sentido de uma plenitude na pálpebra, que é um resultado da secernments inspissated do ‘meibomian’ ou das glândulas ‘ZEIS’ ao longo da margem da pálpebra. Em outras palavras, se estas glândulas são bloqueadas ou ligadas, os olhos se secam.

 

Prevenção da Rosácea Ocular: Não é possível prevenir a Rosácea Ocular, apenas controlar a doença com tratamento adequados e medidas de estilo de vida.

Tratamento Para Rosácea Ocular: O tratamento para Rosácea Ocular pode ser realizado através da toma de remédios, como a Doxaciclina sistêmica 100 mg, Tetraciclina, Eritromicina e Ciclosporina. A doença pode ser tratada e controlada se a pessoa procurar o cuidado médico nos estágios iniciais, para que o diagnóstico seja feito precocemente. A partir daí, o tratamento será indicado de acordo com a evolução da doença, visando deter ou, se possível, reverter o quadro. É fundamental evitar os fatores de risco que favorecem a manifestação da Rosácea Ocular e estar atentos aos sintomas iniciais da doença.

DEIXE SEU COMENTÁRIO!

comentários

VOCÊ PRECISA VER ISSO:

Sobre o autor | Website

Sou graduada no curso de Nutrição pela Universidade Federal de Maranhão(UFMA), do CRN6-MA 16199, com Mestrado na área da Nutrição Clínica com relação ao metabolismo, prática e terapia nutricional, realizado também na Universidade Federal de Maranhão(UFMA). Atualmente trabalho no campo de pesquisa sobre a Qualidade e Inovação em Alimentos.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.

Este site usa cookies e outras tecnologias similares para lembrar e entender como você usa nosso site, analisar seu uso de nossos produtos e serviços, ajudar com nossos esforços de marketing e fornecer conteúdo de terceiros. Leia mais em Política de Cookies e Privacidade.